sábado, 28 de maio de 2016

Cosmoboy



No Cosmoboy você é um pequeno astronauta com a missão de recolher todas as peças perdidas da nave em diversas fases repletas de desafios. Um jogo de raciocínio divertido e inteligente que encanta todas as idades.

Clique na imagem para jogar.

quinta-feira, 26 de maio de 2016

Perispírito



• O que é o perispírito?
• Qual a sua origem e natureza?
• Quais são as suas propriedades e funções?
• É ele a sede da memória e da sensibilidade?

O perispírito é o laço que à matéria do corpo prende o Espírito, que o tira do meio ambiente, do fluido universal. Contém ao mesmo tempo da eletricidade, do fluido magnético e, até certo ponto, da matéria inerte. Poder-se-ia dizer que é a quintessência da matéria.

Quando a alma está ligada ao corpo, durante a vida, tem duplo envoltório: um pesado e grosseiro e perecível, que é o corpo; o outro fluídico, leve e indestrutível, chamado perispírito.

Existem, portanto, no homem, três elementos essenciais:

A alma ou Espírito, princípio inteligente onde residem o pensamento, a vontade e o senso moral;

O corpo, envoltório material que põe o Espírito em relação com o mundo exterior;

O perispírito, invólucro fluídico, leve, imponderável, servindo de liame e de intermediário entre o Espírito e o Corpo.”

A união da alma, do perispírito, e do corpo material constitui o homem. A alma e o perispírito separados do corpo constituem a ser a que chamamos Espírito.

O perispírito é uma condensação do fluido cósmico universal em torno de um foco de inteligência, ou Alma. É o envoltório semimaterial do Espírito e o laço que une o Espírito à matéria do corpo. Portanto, nos Espíritos desencarnados o perispírito forma o corpo fluídico que eles possuem, enquanto nos Espíritos encarnados ele é o órgão semimaterial que une o corpo físico ao Espírito, sendo, dessa forma, o órgão de transmissão de todas as sensações. Se diz que o perispírito é semimaterial porque pertence à matéria pela sua origem (Fluido Universal) e à espiritualidade pela sua natureza etérea. Por sua natureza e em seu estado normal o perispírito é invisível, porém, ele pode sofrer modificações que o tornem perceptível e até tangível, ou seja, possível de ser visto e tocado.

O perispírito não se acha encerrado nos limites do corpo, como numa caixa. Pela sua natureza fluídica, ele é expansível, irradia para o exterior e forma em torno do corpo uma atmosfera que o pensamento e a força de vontade podem dilatar com maior ou menor intensidade. A Ciência comprova isso através de fotografias se utilizando da máquina Kirlian.

O perispírito é o organismo que personaliza e individualiza o Espírito e o identifica quanto à aparência. A alma após a morte jamais perde sua individualidade. Ela comprova essa individualidade, apesar de não mais possuir o corpo material, através de um fluido que lhe é próprio, haurido na atmosfera do seu planeta e que guarda a aparência de sua última encarnação: seu perispírito. Através dele que um ser abstrato como é o Espírito (alma), se torna um ser concreto, definido e apreensível pelo pensamento.

O perispírito é o órgão de transmissão de todas as sensações do Espírito.

Não devemos confundir alguns atributos do Espírito (alma) como sendo do perispírito. A sede da memória é um deles. Segundo Kardec, o Espírito é quem possui a sede da memória, pois ele é o ser inteligente, pensante e eterno. Sem o Espírito, o perispírito é uma matéria inerte privada de vida e sensações. É importante lembrar que os Espíritos ao passarem de um mundo para outro, mudam de perispírito de acordo com a natureza dos fluidos ambientes. Se no perispírito residisse a sede da memória, o Espírito a perderia cada vez que tivesse que mudar a constituição íntima de seu envoltório fluídico.


Elio Mollo (Evangelização Espírita, Ceeak, DIJ - Juventude)

terça-feira, 24 de maio de 2016

Invocação a Deus



Tu, cujo amor em cânticos
Celebram sem cessar
O mundo dos espíritos,
O céu, a terra, o mar!

Senhor, acolhe as súplicas
De pobres filhos teus!
Melhora-nos! ilustra-nos!
Ampara-nos, oh Deus!

À luz disseste. Faça-se!
E a noite em luz se fez:
Dissipe igual prodígio
A sombra em que nos vês!

Nas trevas da ignorância
Não medra o santo amor.
Ilustra-nos! melhora-nos!
Senhor! Senhor! Senhor!

António Feliciano de Castilho

domingo, 22 de maio de 2016

quarta-feira, 18 de maio de 2016

História de uma Árvore



Era uma vez uma árvore, no meio de uma floresta.

Ela era uma árvore muito pequena, de galhos muito frágeis, mas sonhava ser grande e dar muitos frutos.

O tempo foi passando, seu caule engrossou e suas folhas se multiplicaram. Um belo dia, ela perguntou à sua mãe quando é que os frutos viriam.

- Oh! Meu amor! Não somos árvores frutíferas. Somos só assim, mesmo...

E a árvore chorou, porque não tinha nada pra oferecer. Via as pessoas apanharem frutas de suas companheiras, e até folhas medicinais, enquanto ela vivia ali, parada, inútil.

Até que ficou tão triste que teve vontade de morrer. Suas folhas, então, foram murchando. Seus galhos começaram a secar. Ela foi ficando cada vez mais curvada, seca, e, no silêncio de sua dor, ouviu um pássaro piar:

- Pelo amor de Deus, Dona Árvore! Não faça isto. Minha esposa está chocando nossos filhotes, aqui neste seu galho. Se ele cair, que será de nós?

Espantada, ela começou a prestar atenção em si mesma. E passou a reparar quanta "gente" morava nela.

• Tinha uma família de micos-leões.
• E mais uma casinha de João-de-barro.
• E mais uns besouros.

Uma orquídea em botão, presa ao seu tronco, sussurrou:

- Espere um pouco mais, pra ver a surpresa que vou lhe fazer!...

Então ela viu as abelhas que se tinham alojado num vão entre suas raízes, onde fabricavam mel saboroso. E viu uma família de pessoas almoçando à sua sombra.

E só então ela conseguiu ouvir a voz de Deus em seu coração, dizendo:

- Nem todas as árvores têm frutos para dar. Porém algumas, como você, podem ter muito mais a oferecer...

A árvore, com aquele pensamento, recuperou a vontade de viver, ficando saudável em poucos dias. Assim, ela pôde festejar quando os passarinhos nasceram, e a orquídea logo se abriu.

Muitas gerações de crianças já construíram "casas" e balanços em seus galhos firmes e fortes. Esta é uma de suas grandes alegrias!

E até hoje ela está lá, dando cada vez mais sombra, sustentando cada vez mais vidas, feliz por ter encontrado sua verdadeira razão de viver.


Rita Foelker

sábado, 14 de maio de 2016

Jogo das Vogais



Selecione a imagem correspondente com a vogal em destaque e divirta-se com esse jogo educativo para crianças.

Clique na imagem para jogar.

quinta-feira, 12 de maio de 2016

O Evangelho segundo o Espiritismo e A Gênese



O Evangelho Segundo o Espiritismo


O Evangelho Segundo o Espiritismo é a obra da Codificação Espírita que trata especificamente do aspecto religioso da Doutrina.

Esta obra possui inúmeras passagens do Evangelho de Jesus e seus ensinamentos, particularmente os de ordem moral, aclarando assim, a mensagem do Cristo com a realidade de vida espiritual.

Não sendo um livro à parte, um novo Evangelho, esta obra apresenta-nos, sim o Evangelho de Jesus explicado segundo os ensinamentos espíritas.

O Evangelho Segundo o Espiritismo não tem outro objetivo senão o de conclamar-nos ao estudo e entendimento das sempre novas palavras de Jesus.

Em seus 28 capítulos, o último dos quais, uma coletânea de preces, o Evangelho Segundo o Espiritismo é um convite que a Espiritualidade nos faz para entendermos e vivermos a mensagem do Cristo.




A Gênese


Publicada em janeiro de 1868, esta obra é mais um passo para o entendimento e aplicação do Espiritismo.

Tem por objeto o estudo de três pontos até então interpretados de maneira obscura pelos homens: a gênese, os milagres e as predições.

Destacando a interdependência do elemento espiritual com o elemento material, Kardec nos ensina que, da ação simultânea desses dois princípios, nascem os fenômenos especiais, até então inexplicáveis pelas demais doutrinas, por desconhecerem a sua existência.

Através dessa obra, o Espiritismo ressalta, não só a existência do mundo espiritual, mas as suas relações permanentes com o mundo material.

Em seus 18 capítulos, Allan Kardec apresenta-nos o caráter da Revelação Espírita, a existência de Deus, o Bem e o Mal, a uranografia geral, as gênese: orgânica, espiritual e mosaica, além de importante estudo sobre os milagres e as predições.

Na conturbada época de transição que atravessamos, o espírita encontra na Gênese, segundo o Espiritismo, explicações lógicas e racionais para entender os fatos inusitados que se desdobram em todos os pontos do Planeta e recursos para se conduzir com serenidade e segurança frente aos mesmos.


terça-feira, 10 de maio de 2016

Aprendendo a Canção: Paz

Poema de Emmanuel musicado e belissimamente interpretado na voz de Elizabete Lacerda.



Paz


Se a provação te aflige,
Deus te conceda paz.
Se o cansaço te pesa,
Deus te sustente em paz.
Se te falta a esperança,
Deus te acrescente a paz.
Se alguém te ofende ou fere,
Deus te renove em paz.
Sobre as trevas da noite,
O Céu fulgura em paz.
Ama, serve e confia.
Deus te mantém a paz.

Poema de Emmanuel
Voz: Elizabete Lacerda

domingo, 8 de maio de 2016

Especial Dia das Mães



Oração do Dia das Mães


Pai, tu, sendo Deus, quiseste mostrar
entre nós tua face materna...
Por isso criaste todas as mães!
Peço-te por minha mãe,
sinal concreto e visível de teu amor entre nós.
Multiplicai os seus dias
em nosso meio!

Acompanha-a em todo riso
e em toda lágrima,
todo trabalho e toda prece,
todo dia e toda noite!

Que tua bênção cubra de luz
a vida de minha mãe para que,
inundada de ti, ela seja sempre mais
Presença do divino em minha vida.
Amém!

Sérgio J. de Souza