terça-feira, 22 de julho de 2014

Acreditar (To Believe) - Jackie Evancho



Uma belíssima voz para uma canção inesquecível.




Letra traduzida:


Acreditar


Antes de me deitar para descansar
Peço ao senhor um pequeno pedido.
Eu sei que tenho tudo o que eu poderia precisar
Mas esta oração não é para mim.
Muitas pessoas até hoje
Não tem um lugar tranquilo para ficar.
Deixe que toda luta cesse e que suas crianças vejam a paz.
Limpe suas lagrimas de tristeza.
Para acreditar em um dia quando a fome e guerra passarão.
Para ter a esperança em meio ao desespero.
Que cada luta seja contada.
Que você ouve cada grito e cada oração.
Deixe-me sempre acreditar.
Que podemos curar os corações aflitos.
Por favor,nos ajude a não ignorar os clamores dos pobres.
Ou sua dor nunca passará.
Para acreditar em um dia quando a fome e a guerra passarão.
Para ter a esperança em meio ao desespero.
Que cada luta seja contada.
Que você ouve cada grito e cada oração.
Pai! como você vê, eu sou apenas uma criança e há muito para entender mas se vossa graça me cerca,
Então eu vou fazer o melhor que puder.
Eu prometo,eu farei o melhor que puder.
Ajude-nos a fazer a tua vontade ó Pai.
Em nome de tudo o que é verdade.
E vamos ver no outro a sua imagem amorosa.

domingo, 20 de julho de 2014

Jogo do Plural




Um quiz e jogo da memória divertido que testa o conhecimento e treina o uso e grafia do plural.

Clique aqui para jogar.

sexta-feira, 18 de julho de 2014

Aprendendo a Canção: Ele




Ele


Ele é o pai de todos nós
Uns chamam de Deus, de Criador
E os outros o chamam de Amor, de Luz, de Vida
Mas Ele é um só
E está entre nós
É fácil ouvir sua voz no coração

Eu ouço seu nome por toda parte
Da voz que emana da natureza
Nas aves que cantam pelo ar
Na pedra que silencia
Na voz de um menino a rezar
No som da vida

Ele é a paz no meio de nós
O bálsamo que alivia a dor
A luz na escuridão da vida
Com Ele ninguém está só
Não importa a pessoa
É fácil sentir seu amor no coração

Eu ouço seu nome por toda parte
Da voz que emana da natureza
Nas aves que cantam pelo ar
Na pedra que silencia
Na voz de um menino a rezar
No som da vida

Eu ouço seu nome por toda parte
Da voz que emana da natureza
Nas aves que cantam pelo ar
Na pedra que silencia
Na voz de um menino a rezar
No som da vida
No som da vida


Alexandre Paredes

quarta-feira, 16 de julho de 2014

As Leis da Eternidade

A vida no mundo espiritual e as dimensões espirituais que são necessárias a cada espírito percorrer até alcançar a plenitude são reveladas de forma ímpar nessa animação japonesa em longa metragem. Um vídeo recomendado para todas as idades.


sábado, 12 de julho de 2014

O Espelho do Sentimento



ADEILSON S. SALLES (AUTOR)
L. BANDEIRA (ILUSTRAÇÕES)
FEB - LIVRO - ESPÍRITA


Sinopse do livro

Imagine um lugar em que todas as pessoas estão sempre contentes e se dão muito bem. Agora imagine um pouquinho mais... todos gostam muito de ler e, quanto mais leem, mais ricos ficam, mais a vida melhora. Pois neste livro, as crianças irão conhecer um lugar desse jeito: o Reino da Livrolândia, governado pelo rei Leitorius Segundo, um rei que se preocupa muito com o hábito da leitura e que sempre fala bem alto o seu lema "Povo feliz é povo que lê!". Na Livrolândia está chegando o grande dia da Olimpíada da Conjugação Verbal. Qual será o verbo escolhido desta vez? Os inscritos na olimpíada estão nervosos porque deverão conjugar o verbo diante do Espelho do Sentimento. O que terá esse espelho de especial? Descubra e se divirta lendo este livro de Adeilson Salles.

terça-feira, 8 de julho de 2014

Camille Flammarion



Nascido em Montigny, Le-Roy, França, no dia 26 de fevereiro de 1842, e desencarnado em Juvissy no mesmo país, a 4 de junho de 1925.

Flammarion foi um homem cujas obras encheram de luzes o século XIX. Ele era o mais velho de uma família de quatro filhos, entretanto, desde muito jovem se revelaram nele qualidades excepcionais. Queixava-se constantemente que o tempo não lhe deixava fazer um décimo daquilo que planejava. Aos quatro anos de idade já sabia ler, aos quatro e meio sabia escrever e aos cinco já dominava rudimentos de gramática e aritmética. Tornou-se o primeiro aluno da escola onde frequentava.

Para que ele seguisse a carreira eclesiástica, puseram-no a aprender latim com o vigário Lassalle. Flammarion conheceu o Novo Testamento e a Oratória. Em pouco tempo estava lendo os discursos de Massilon e Bonsuet. O padre Mirbel falou da beleza da ciência e da grandeza da Astronomia e mal sabia que um de seus auxiliares lhe bebia as palavras. Esse auxiliar era Camille Flammarion, aquele que iria ilustrar a letra e a significação galo-romana do seu nome -- Flammarion: "Aquele que leva a luz".

Nas aulas de religião era ensinado que uma só coisa é necessária: "a salvação da alma", e os mestres falavam: "De que serve ao homem conquistar o Universo se acaba perdendo a alma?".

Foi dura a vida dos Flammarions, e Camille reconhecia em seu pai o mais belo exemplo de energia e trabalho, entretanto, levava uma vida de poucos recursos.

Camille, depois de muito procurar, encontrou serviço de aprendiz de gravador, recebendo como parte do pagamento casa e comida. Comia pouco e mal, dormia numa cama dura, sem o menor conforto; era áspero o trabalho e o patrão exigia que tudo fosse feito com rapidez. Pretendia completar seus estudos, principalmente a matemática, a língua inglesa e o latim. Queria obter o bacharelado e por isso estudava sozinho à noite. Deitava-se tarde e nem sempre tinha vela. Escrevia ao clarão da lua e considerava-se feliz. Apesar de estudar à noite, trabalhava de 15 a 16 horas por dia. Ingressou na Escola de desenho dos frades da Igreja de São Roque, a qual frequentava todas as quintas-feiras.

Naturalmente tinha os domingos livres e tratou de ocupá-los. Nesse dia assistia às conferências feitas pelo abade sobre Astronomia. Em seguida tratou de difundir as associações dos alunos de desenho dos frades de São Roque, todos eles aprendizes residentes nas vizinhanças. Seu objetivo era tratar de ciências, literatura e desenho, o que era um programa um tanto ambicioso.

Aos 16 anos de idade, Camille Flammarion foi presidente da Academia, a qual, ao ser inaugurada, teve como discurso de abertura o tema "As Maravilhas da Natureza". Nessa mesma época escreveu "Cosmogonia Universal", um livro de quinhentas páginas; o irmão, também muito seu amigo, tornou-se livreiro e publicava-lhe os livros. A primeira obra que escreveu foi "O Mundo antes da Aparição dos Homens", o que fez quando tinha apenas 16 anos de idade. Gostava mais da Astronomia do que da Geologia. Assim era sua vida: passar mal, estudar demais, trabalhar em exagero.

Um domingo desmaiou no decorrer da missa, por sinal, um desmaio muito providencial. O doutor Edouvard Fornié foi ver o doente. Em cima da sua cabeceira estava um manuscrito do livro "Cosmologia Universal". Após ver a obra, achou que Camille merecia posição melhor. Prometeu-lhe, então, colocá-lo no Observatório, como aluno de Astronomia.

Entrando para o Observatório de Paris, do qual era diretor Levèrrier, muito sofreu com as impertinências e perseguições desse diretor, que não podia conceber a ideia de um rapazola acompanhá-lo em estudos de ordem tão transcendental.

Retirando-se em 1862 do Observatório de Paris, continuou com mais liberdade os seus estudos, no sentido de legar à Humanidade os mais belos ensinamentos sobre as regiões silenciosas do Infinito. Livre da atmosfera sufocante do Observatório, publicou no mesmo ano a sua obra "Pluralidade dos Mundos Habitados", atraindo a atenção de todo o mundo estudioso.

Para conhecer a direção das correntes aéreas, realizou, no ano de 1868, algumas ascensões aerostáticas.

Pela publicação de sua "Astronomia Popular", recebeu da Academia Francesa, no ano de 1880, o prêmio Montyon. Em 1870 escreveu e publicou um tratado sobre a rotação dos corpos celestes, por meio do qual demonstrou que o movimento de rotação dos planetas é uma aplicação da gravidade às suas densidades respectivas. Tornando-se espírita convicto, foi amigo pessoal e dedicado de Allan Kardec, tendo sido o orador designado para proferir as últimas palavras à beira do túmulo do Codificador do Espiritismo, a quem denominou "o bom senso encarnado".

Suas obras, de uma forma geral, giram em torno do postulado espírita da pluralidade dos mundos habitados e são as seguintes: "Os Mundos Imaginários e os Mundos Reais", "As Maravilhas Celestes", "Deus na Natureza", "Contemplações Científicas", "Estudos e Leitura sobre Astronomia", "Atmosfera", "Astronomia Popular", "Descrição Geral do Céu", "O Mundo antes da Criação do Homem", "Os Cometas", "As Casas Mal-Assombradas", "Narrações do Infinito", "Sonhos Estelares", "Urânia", "Estela", "O Desconhecido", "A Morte e seus Mistérios", "Problemas Psíquicos", "O Fim do Mundo" e outras.

Camille Flammarion, segundo Gabriel Delanne, foi um filósofo enxertado em sábio, possuindo a arte da ciência e a ciência da arte. Flammarion "poeta dos Céus", como o denominava Michelet tornou-se baluarte do Espiritismo, pois, sempre coerente com suas convicções inabaláveis, foi um verdadeiro idealista e inovador.


Fonte: Grandes Vultos do Espiritismo.

sexta-feira, 4 de julho de 2014

Oração da Criança



Bom Pai do Céu,
Permanecei sempre perto de mim,
Fazei que eu vos ame cada vez mais.
Que o meu coraçãozinho de criança seja puro
E que não haja lugar para a raiva.
Que meus olhinhos estejam voltados somente para o Bem.
Ó Deus!
Afastai de mim pensamentos de qualquer maldade contra meus irmãos.
Não permitais que da minha boquinha saia alguma mentira e nem palavras feias.
Que a inteligência, em boa dose que me destes, seja em benefício da Humanidade.
Fazei que eu ame a todos os meus irmãos, amigos ou inimigos, bons ou maus, conhecidos ou não, os que eu encontrar durante toda a minha vida.
Fazei, Senhor, que eu nunca venha a magoar o coração de meus pais que me tratam com tanto carinho e tanto Amor.
Senhor, dai-me vontade e coragem para cumprir o Vosso mandamento, fazendo aos outros o que eu quero que os outros me façam.
Que assim seja!

Prece Ecumênica de Rita de Cássia Mineto

quarta-feira, 2 de julho de 2014

segunda-feira, 30 de junho de 2014

Cada um oferece do que tem



Década dos anos 30/40

Cidade de Uberaba...

Uma dama muito conhecida na cidade pelas doações que fazia à Catedral e aos pobres em geral, começou a passar por sérias dificuldades. Toda vez que tocava em qualquer objeto metálico, sentia vigoroso choque!

Tentativas diversas foram testadas para sua cura. Nada!...

Levada pelo abastado esposo até ao Dr. Ignácio Ferreira, psiquiatra renomado, foi hipnotizada por este.

Estando D. Maria Modesto Cravo em estado de transe, o espírito Eurípedes Barsanulfo, que militou na cidade de Sacramento em Minas Gerais, comunicou-se e, passou a dialogar com o médico através o fenômeno estudado por Allan Kardec com o nome de psicofonia. Explicando também que aqueles choques ocorriam devido à exteriorização fluídica e magnética existente em abundância no corpo físico da paciente.

Recomendando, como tratamento, que ela trabalhasse ofertando passes, isto é, impondo as mãos por sobre as cabeças dos doentes, do corpo e da alma, como Jesus ensinara há 2.000 anos, para assim ela ir canalizando aquela força exteriorizada.

Então, diante do fato inusitado a senhora passou a ler as obras de Allan Kardec

Encantada por poder auxiliar, ministrando passes, passou também a dedicar algumas horas do seu precioso tempo no amparo aos necessitados de modesto Centro Espírita de Uberaba.

Digamo-lo sem delongas: ela era médium!

O murmurinho começou então:

"... coitado do marido, tão rico merecia esposa melhor!"

"... por certo a dama está louca, deveria ser internada, para que serve tanto dinheiro?"

"... onde já se viu dedicar-se a essas coisas de satanás?"

Uma antiga amiga, inconformada com a atual situação, era a que mais esbravejava, diante dos fatos.

O tempo foi passando...

O marido dedicado tudo fazia para não contrariar o tratamento recomendado por Eurípedes Barsanulfo, e que surtia efeitos a olhos vistos!

No dia do aniversário de D. Maria Modesto Cravo os presentes foram chegando, não mais as ricas lembranças de outros tempos, mas velhinhos e senhoras doentes com filhos ao colo que batiam incessantemente à sua porta desejando-lhe prosperidade espiritual e expressando-lhe gratidão pelo auxílio espiritual e , também do auxílio financeiro que dela recebiam.

Chegou então, belíssimo vaso de porcelana inglesa, ricamente decorado, com lindo papel de presente e laçarote de fita de cetim. Um cartão acompanhava o mimo. Era um regalo da antiga amiga que agora a execrava. O cartão continha as seguintes palavras grafadas em bela caligrafia com tinta importada : "Isto é o que você merece!"

Quando D. Maria Modesto Cravo retirou o invólucro viu que o vasilhame continha esterco.

Um ano depois, durante as ruidosas comemorações do aniversário da milionária amiga de D. Maria Modesto Cravo, a médium enviou-lhe lindo arranjo de rosas e um cartão com a seguinte mensagem:

" Ofereço este ramalhete como prova de estima . Foram cultivadas aqui em casa, com o esterco que você me enviou no ano passado e que proporcionou excelente adubo para as roseiras cultivadas no meu jardim. Com gratidão, Maria Modesto Cravo."

Cada um dá o que tem em abundância na vida!


Ana Maria Spranger Luiz