quarta-feira, 25 de março de 2015

Que Deus te Abençoe



Quando alguém te diz: “QUE DEUS TE ABENÇOE”, não está só desejando o melhor para você, mas também atuando a seu favor.

Pois quando bendizes a alguém, também estás atraindo a proteção de Deus para você.

O efeito de abençoar é multiplicador, já que é dado por Deus a seus filhos.

A benção invoca o apoio permanente de Deus, para o bem estar da pessoa, fala de agradecimento, confere prosperidades e felicidade, em toda pessoa que a recebe da nossa parte.

A benção começa com as relações de pais e filhos.

Os filhos que recebem a benção da parte dos seus pais, tem um bom começo espiritual e emocional na vida.

Recebem um firme propósito de amor e aceitação.

Este princípio também se aplica na intima relação de casais...

As amizades se aprofundam e se fortalecem, trazendo companheirismo, saúde e esperança, a todos que nunca receberam sequer uma palavra abençoada.

O poder da vida e da morte está na Palavra.

Ao abençoares não só está outorgando a vida aquele que a recebe, mas também aquele que também a dá.

Por isso, hoje eu peço que Deus te abençoe, porque ao bendizê-lo de todo coração, estou bendizendo a mim mesmo.

Distribua bênçãos por onde vás, não só palavras, mas, ações.

Elas retornarão a ti quando menos esperares.

Geralmente a pessoa que vive na presença de Deus, amando-O e obedecendo-O, tem o privilégio da sua Divina Benção sempre.

Abraços e que Deus te Abençoe.


Fonte: gotas de paz

segunda-feira, 23 de março de 2015

Vale mais ajudar ou ser ajudado?



Há muito tempo atrás, havia um homem chamado Efraim que procurava sempre ajudar os outros. Era bom e prestativo, mas sempre ridicularizado por todos.

As pessoas estranhavam sua maneira de agir, sempre fazendo o que os outros pediam, sem reclamar.

Quando a esposa o cobrava por algo que ele poderia ter feito, embora não fosse sua obrigação, ele resolvia o problema, calado.

Quando alguém no trabalho o cobrava por não ter realizado certo serviço, que na verdade era de outra pessoa, ele não brigava. Com boa vontade, pegava a enxada e ia dar conta da tarefa, deixando tudo pronto.

Se alguém o procurava pedindo-lhe que limpasse o quintal, embora não fosse sua obrigação, ele concordava e gastava o dia para deixá-lo arrumado e bonito.

Assim acontecia sempre, sem que esse homem reclamasse de coisa alguma.

Certa ocasião, como Efraim estivesse derrubando uma árvore a pedido de alguém, Josué, um amigo, chegou-se a ele e perguntou:

— Efraim, por que você faz tudo o que lhe pedem, mesmo que não seja serviço seu? E, muitas vezes, sem cobrar nada?

Efraim, cansado, largou o machado aos seus pés, sentou-se à sombra de linda árvore e, tomando fôlego, respondeu:

— Josué, eu penso que sempre devemos ajudar aos outros em suas necessidades. E se fôssemos nós que estivéssemos precisando de ajuda? Então, eu prefiro ser aquele que auxilia, para não ser aquele que pede.

— Mas por quê? Você não gosta de ser ajudado?!...

Efraim pensou um pouco e esclareceu:

— Josué, é que nosso Mestre Jesus, quando esteve aqui na Terra, nos ensinou certa ocasião que quem quisesse ser o primeiro entre todos deveria ser o servo de todos. Porque Jesus não veio para ser servido, mas para servir. Então, com Jesus, eu prefiro estar na condição daquele que ajuda e não na condição daquele que recebe a ajuda. Entendeu?

Josué, que ouvira com atenção a resposta de Efraim, balançou a cabeça concordando:

— Jesus tem razão. Se estivermos trabalhando estamos bem. Quando precisamos de ajuda, é sinal de que estamos mal, qualquer que seja a situação.

— E o Mestre também nos esclarece dizendo que devemos nos colocar no lugar do outro. Então, olhando para um irmão necessitado, penso: Eu gostaria de estar no lugar dele? Não. Então, sejamos nós os amigos que socorrem, para não sermos amanhã necessitados de socorro.

Josué sorriu e agradeceu ao amigo Efraim pela explicação. Deixou a tenda onde se abrigavam, buscando o ar puro do campo.

Não demorou muito, lembrando o que ouvira de Efraim, Josué foi envolvido por certo sentimento de insatisfação íntima ao lembrar-se de como tinha agido com um seu trabalhador. Envergonhado, procurou o serviçal até encontrá-lo com a enxada na mão, revolvendo a terra.

Aproximando-se dele, Josué considerou:

— Justo, outro dia eu o tratei mal por uma bobagem. Chamei-o de preguiçoso, afirmei que você não faz nada e estou arrependido. Você ainda é muito novo, está aprendendo a trabalhar e fiquei sabendo que está doente. Procurei informação e me disseram que você sente muita dor e por isso não pode trabalhar. Então, pensei bem e, enquanto não estiver bem, não precisa vir trabalhar. Está de folga.

— Mas, patrão...

— Não se preocupe, Justo. Volte quando estiver bom de novo!

Os olhos do trabalhador brilhavam com lágrimas que não chegaram a cair.

Aproximou-se do senhor e disse:

— Deus lhe pague, senhor! Logo que estiver bom, continuarei meu serviço. Não se preocupe. Não terá prejuízo algum, pode acreditar!

Despediram-se e Josué, esporeando seu cavalo, tomou o rumo de casa. Sentia uma alegria muito grande! Aquela atitude simples que tomara dera-lhe paz ao coração.

Realmente, colocar-se no lugar de Justo fizera toda a diferença, gerando para ambas as partes sensação de bem-estar e satisfação.

Contente, Josué retornou para sua casa, onde a paz e o amor da família o envolveram. Lembrando-se do Mestre de Nazaré, sabia que Ele o ajudara na decisão.

Então, ajoelhou-se no solo e agradeceu a Jesus, do fundo do coração, pelo esclarecimento íntimo que lhe dera.


MEIMEI

(Recebida por Célia Xavier de Camargo, em 08/12/2014.)

quinta-feira, 19 de março de 2015

Abecedário Espírita



O abecedário espírita é um dicionário para evangelização espírita infantil com palavras e expressões comumente usadas na doutrina, que é publicado mensalmente em nosso blog.

Rabi: Nome dado a Jesus por alguns judeus. Também, são chamados os doutores da lei do povo judeu.
Rabino: Doutor da lei judaica (lei do povo judeu).
Reencarnação: É a volta do espírito à vida no corpo físico, por exemplo, é quando nosso espírito volta para a Terra e para isso, ele precisa morar em um corpo, temporariamente.
Reino de Deus: O Reino de Deus está dentro de nós mesmos, é um estado de felicidade de acordo com a nossa luz, ou seja, quanto de amor temos em nosso coração.
Ressureição: é voltar à vida o corpo que já está morto, o que a Ciência demonstra não ser possível. Para nós espíritas, Ressureição para a vida significa o renascimento (ou seja, nascer de novo), a reencarnação, na qual o espírito começa novamente a sua marcha para sermos cada vez melhores.

terça-feira, 17 de março de 2015

Aprendendo a Canção: Paraíso



Paraíso


Senhor, sei que existe um céu de amor
Quero nele voar
Voar... para além destas nuvens no céu
Para além desta brisa do mar
Além dos sonhos que sonhei
O amor, treino de perfeição
Carinho, gesto pro meu irmão

Sê bem vindo ao paraíso
Ser bondoso é preciso
Sê irmão, oh! meu irmão, é preciso voar

Sê bem vindo ao paraíso
Ser bondoso é preciso
Sê irmão, oh! meu irmão, é preciso voar

Cancioneiro Espírita

domingo, 15 de março de 2015

Blocos Espaciais



Dica de um joguinho que além de muito divertido, ensina noções de dezenas e unidades.

Acerte o teste sobre dezenas e unidades para pilotar a nave e pegar os blocos espalhados no espaço.

Clique aqui e jogue.

quarta-feira, 11 de março de 2015

O QUE É PRECISO TER



1. O que é preciso ter para aceitar as dificuldades que Deus colocou em seu caminho? (FÉ, RESIGNAÇÃO)
2. Explique a frase dita por Jesus “Onde estiver o teu tesouro, aí estará também o teu coração.”
3. Diferencie: valores materiais e valores espirituais.
4. O que você precisa ter para dividir seu lanche com o seu colega que tem fome. (GENEROSIDADE)
5. É falso dizer que os valores do espírito são mais importantes que os materiais?
6. O que é preciso ter ao falar com seus pais. (RESPEITO, CARINHO).
7. O que você precisa praticar dentro e fora da casa espírita. (CARIDADE)
8. O que você deve fazer para ajuntar tesouros espirituais no coração conforme Jesus ensinou?
9. A felicidade real depende do que? (Das virtudes que amealhamos na alma)
10. O que é preciso ter para as dificuldades dos outros. (COMPREENSÃO, TOLERÂNCIA)
11. O que pode ser obstáculo para nosso adiantamento moral/espiritual, para se adquirir virtudes? (apego aos bens terrenos)
12. Tudo aquilo que possuímos nessa vida nos foi dado por Deus, riqueza, beleza, família. Por qual motivo? (para nosso progresso espiritual, e nada levaremos dessa vida, senão as conquistas intelectuais e morais.)
13. O que é preciso ter quando uma pessoa nos ofende, fala mal de mim, fofoca sobre mim, humilha?(PERDÃO)
14. O que impede de cair em tentação, e nos ajuda agir certo na vida, sendo justos e bondosos? (Vigilância nos pensamentos e atitudes)
15. O que é preciso ter quando você quer algo agora, mas sabe que deve aguardar a hora que os seus pais tenham condições de comprar, e se necessário. (RENÚNCIA)
16. É necessário ter muito dinheiro para ajudar alguém? (NÃO). Podemos doar amor, atenção, respeito, boas energias, uma prece, entre outras coisas.)
17. O que realmente traz felicidade a nossa vida? (os bens do espírito)
18. Na nossa vida encontramos pessoas difíceis, que não temos simpatia. O que precisamos aprender a ter com elas? (Amor, ter CARINHO e RESPEITO)
19. O que você precisa ter para reconhecer seus defeitos e, se melhorar como ser humano. (FORÇA DE VONTADE)
20. Como podemos transformar sentimentos negativos em sentimentos bons? (Praticar Virtudes; Esforço em ser caridoso e benevolente com todos os semelhantes)
21. O que você precisa ter com seus estudos dentro e fora da casa espírita. (DEDICAÇÃO, praticando tudo que se aprende com o semelhante)
22. Se você possui muitos bens materiais, como você pode fazer para aproveitar com sabedoria e amor, os bens materiais que possui? (Não acumulando fortunas apenas para si e família, auxiliar praticando a caridade material em benefícios de pessoas muito pobres).


Simone Anastásio

segunda-feira, 9 de março de 2015

Um Cara chamado Allan Kardec




Artur era um garoto muito estudioso e interessado em aprender. Naquela semana tinha uma tarefa para fazer em casa: pesquisar sobre Allan Kardec.

Ele sabia que Kardec havia organizado as lições recebidas de Espíritos elevados em cinco obras: O Livro dos Espíritos, O Livro dos Médiuns, O Evangelho Segundo o Espiritismo, O Céu e o Inferno e A Gênese. Mas ele queria saber mais.

Foi então à biblioteca. Lá, leu muita coisa interessante e ficou admirado com a inteligência, a organização, a dedicação e a bondade de Kardec. Artur achou ele um cara muito legal mesmo!

De repente, Artur percebeu que estava em Lion, na França. O ano era 1804. E ele viu nascer um garotinho, chamado Hippolyte Léon Denizard Rivail. Esse menino cresceu em um lar harmonioso, e era muito estudioso e educado.

Logo, o menino já era um rapaz e estudava na Suíça, com um professor diferente e bastante sábio, o professor Pestalozzi. Aprendeu muitas coisas e se tornou professor e escritor.

Artur viu Hippolyte retornando à França para dar aulas de Química, Física, Anatomia e Astronomia e escrever livros. Conheceu também a esposa dele, dona Amélie, uma professora alegre e caridosa.

Em 1855, Hippolyte começou a estudar o fenômeno das “mesas girantes”, que se moviam pela ação de espíritos desencarnados. Artur quis fazer perguntas, mas Hippolyte estava muito ocupado, pesquisando e organizando os ensinamentos dos espíritos, em vários livros; achou, então, melhor não incomodar.

O garoto percebeu que, nos livros, o autor tinha o apelido de Allan Kardec. E entendeu que era para as pessoas não pensarem que os livros tinham sido escritos por Hippolyte. Afinal, os ensinamentos desses livros eram de espíritos desencarnados que se comunicavam com a ajuda de médiuns*. Por esse trabalho, Kardec (Hippolyte) ficou conhecido como Codificador** do Espiritismo.

Artur viu quando, em 1869, Kardec desencarnou por causa de um problema no coração. Ficou muito feliz ao ver os muitos amigos que o receberam no mundo espiritual quando...

- Acorde, Artur! Acorde!

Artur viu que não estava mais na França...

Ele havia dormido na biblioteca, em meio aos livros!

Mas seu sonho parecia ter sido tão real...

* Médium: aquele que serve de intermediário (como meio de ligação) entre os espíritos desencarnados e os encarnados.
** Codificador: organizador.

Fonte: searadomestre.com.br

quinta-feira, 5 de março de 2015

Jesus me Ensina: Posso Nascer de Novo



Sobre o livro:


Exemplar que faz parte da Coleção de Livros Infantis "Aprendendo com Jesus", da Sociedade de Divulgação Espírita Auta de Souza que são aplicados na Escola de Evangelização Espírita Infantil, para crianças na faixa dos 5 anos, em sala de aula e no lar, podendo também ser utilizados no Culto do Evangelho no Lar.