segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

Férias



Prezados visitantes,

Comunico a todos que a partir da presente data iniciamos o período de férias em nossos blogs, Manancial de Luz e O Manancialzinho, onde farei uma pausa com as postagens retornando regularmente em fevereiro com novas atualizações.

Agradeço pela atenção e compreensão de todos.

Um abraço fraterno e que Deus os abençoe!

Carlos Pereira – O Manancialzinho

sábado, 31 de dezembro de 2016

Feliz 2017!



Feliz Ano Novo! - Imagens para Facebook e blogs

Que Deus em sua infinita bondade abençoe e encha de paz
os nossos corações em todos os dias do ano novo!

São os votos de



Carlos Pereira - O Manancialzinho



quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

O Natal para os Espíritas



O Natal para o espírita é aquele momento em que se é atingido pela mensagem evangélica, permitindo a Jesus nascer em nossos corações.

O Evangelho Segundo o Espiritismo afirma que o mais importante é o ensinamento moral de Jesus, pois não se sujeita a controvérsias e nos oferece verdadeiramente a ciência da vida.

Jesus está sempre falando conosco, incentivando-nos a amar cada vez mais o nosso próximo, a exercer a prática da caridade, independentemente do modo como somos tratados, porque senão que vantagem haveria em amarmos somente aqueles que nos amam?

Na noite em que o mundo cristão festeja o nascimento de Jesus, os espíritas devem lembrar-se do nascimento da Doutrina Espírita. A lei da reencarnação é fundamental para o entendimento do sofrimento e da dor.

De acordo com a reencarnação ou a diversidade de vidas sucessivas, podemos vislumbrar o nosso futuro que é uma continuidade dos atos que praticamos nesta vida.

Optando pela prática do bem, teremos uma vida futura feliz; caso contrário sofreremos as consequências pelo que praticamos, no sentido de nos adaptarmos à lei do progresso, que é inexorável.

No Natal, hoje e sempre, sigamos o exemplo do Cristo, praticando a caridade e o amor pelo próximo, indistintamente.

Ele é como o Sol afasta as sombras e vivifica com luz e calor.

Pensa Nele, inspirando-te no teu labor revolucionário de dentro para fora. Nunca O esqueças, seja qual for a situação em que te encontras.

Neste Natal, permite que o amor de Jesus te irrigues o coração e vertas em direção daqueles para os quais Ele veio, os nossos irmãos sofredores da Terra.

Faze mais: deixa-O renascer na tua alma e agasalha-O, para que Ele siga em ti e contigo, por todos os dias da tua vida.

Sociedade Beneficente Espírita Bezerra de Menezes

terça-feira, 27 de dezembro de 2016

Sempre é Natal

O amor é a tônica que faz com que o natal de Jesus seja para sempre morada em nossos corações.


sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

Celeste Aniversário



E eis que o dia chega outra vez. E outra vez nos fala de amor, de esperança.

É o aniversário do Ser mais importante que a Terra já agasalhou. Rei das estrelas, Governador de nosso planeta, Rei solar.

Cristo de Deus, o ungido. Os homens Lhe adivinham a existência, desde tempos recuados. Mais de uma vez, pela Sua grandeza, foi confundido com o próprio Deus.

No entanto, esse Ser especial, nosso Mestre e Senhor, veio habitar entre nós. Quando tantos reclamamos do planeta em que nos encontramos, das condições adversas em que se vive, o Rei solar tomou de um corpo e aqui nasceu.

Nasceu indefeso, entregando-Se aos cuidados de uma jovem mulher. Foi seu primeiro filho.

Quando alguns apontam a inexperiência das mães de primeira viagem, Ele não temeu Se entregar aos cuidados de alguém que não concebera anteriormente.

Nem mesmo temeu por ela ser jovem. Entregou-Se, tanto quanto confiou em um homem a quem, durante os anos da infância e adolescência, honrou e chamou amorosamente pai, a ele Se submetendo.

E permitiu-Se ilustrar na lei hebraica, na História de um povo sofrido, embora soubesse muito mais e além da ciência e da justiça dos homens.

Senhor e Mestre, escolheu uma noite silenciosa, quase fria, para estar entre os Seus irmãos, Suas ovelhas, Seu rebanho.

Pediu ao Grande Pai que, para atestar a Sua chegada, enchesse de estrelas os céus. Tudo porque Ele, a luz do mundo, chegava ao planeta, para estar com os Seus mais demoradamente.

Solicitou ainda ao Pai Celeste que enviasse um mensageiro às gentes simples, ao encontro das quais Ele vinha, para lhes dizer que Ele nascera.

E que os aguardava, pobre e pequenino, numa manjedoura, resguardado pelo amor dos pais, envolto em panos.

E uma estrela de brilho inigualável pairou no céu, chamando a atenção de ilustres estudiosos, que aguardavam o sinal especial para seguir ao encontro do Rei.

Recebeu a visita dos pastores e dos magos do Oriente, a uns e outros ofertando o Seu sorriso, assegurando-lhes que Ele viera. A esperança estava no meio dos homens.

Serviu na carpintaria, nas estradas da Galileia e da Judeia.

Realizou proezas inimagináveis, devolvendo a vista a cegos, a audição a surdos, movimentos a membros paralisados, saúde a corpos enfermos.

No lago de Genesaré, em plena natureza, dedilhou as mais belas canções que o amor pode conceber.

Vinde a mim, vós todos que estais fatigados, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo que é suave e o meu fardo, que é leve.

Quem toma da água que ofereço, jamais terá sede. Vinde a mim...

Sua voz era de ensino, de alegria e de esperança.

Quando tantos se rebelavam contra a escravidão a que eram submetidos, Ele ensinou que a liberdade está acima e além de questões materiais.

Ensinou-nos a sermos livres, na consciência, no dever cumprido, na retidão, sem nada que nos detenha na retaguarda das dores.

Mestre e Senhor. Mestre da sensibilidade, do amor e da sabedoria. Senhor da Terra. Nosso Pastor.

Ele veio. Que neste Natal O lembremos outra vez e unamos as nossas vozes às dos Mensageiros Celestiais:

Hosana ao Senhor da vida! Ave, Cristo! Os que desejamos estar contigo, Te recordamos a glória augusta e Te pedimos luz, paz e bênçãos.

Sê conosco, Celeste menino, hoje e sempre.

Redação do Momento Espírita.

quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

Canção de Natal: Na Manjedoura

A canção espírita infantil, “Na Manjedoura”, ressalta a lição da humildade em torno do nascimento de Jesus, o nosso Mestre maior.


segunda-feira, 19 de dezembro de 2016

Algo mais no Natal



Senhor Jesus!
Diante do Natal, que te
Lembra a glória
Na manjedoura,
Nós te agradecemos:
A música da oração;
O regozijo da fé;
A mensagem de amor;
A alegria do lar;
O apelo à fraternidade;
O júbilo da esperança;
A bênção do trabalho;
A confiança no bem;
O tesouro de tua paz;
A palavra da Boa Nova,
E a confiança no futuro!...
Entretanto, ó
Divino Mestre!
De corações voltados
Para o teu coração,
Nós te suplicamos
Algo mais!...
Concede-nos, Senhor,
O dom inefável
Da humildade para que
Tenhamos a precisa
Coragem de
Seguir-te os exemplos!

Emmanuel

sábado, 17 de dezembro de 2016

Happy Santa



Ajude ao Papai Noel a distribuir presentes para as crianças em seu trenó e acumule pontos nesse jogo divertido de natal.

Clique na imagem para jogar.

domingo, 11 de dezembro de 2016

Um Presépio Vivo



Francisco costumava andar muito, de cidade em cidade, por toda a Itália, oferecendo-se como um instrumento de paz entre todos os seres. Procurava levar a união onde havia a discórdia, ensinar o perdão onde sentia a ofensa, a alegria onde reinava a tristeza, a esperança onde só havia desespero e a luz onde as trevas haviam tomado conta. Em um determinado inverno, Francisco estava em uma cidade perto de Assis, durante a época em que se comemora o Natal, o nascimento de Cristo. Sentiu que poderia realizar uma celebração especial, e teve a ideia de encenar o nascimento de Jesus como havia acontecido. Pediu ajuda para um amigo seu, morador daquela cidade, que lhe arrumou uma manjedoura, um boi e um burrinho. Francisco queria fazer a encenação de como Jesus havia nascido, em uma caverna que ficava no alto da montanha ao lado da cidade. A notícia deste evento se espalhou por toda parte, e na noite de Natal, vieram camponeses de muitas aldeias e cidades da região.

Todos levavam tochas e cantavam músicas para comemorar o nascimento de Jesus Cristo. Francisco, que já estava na gruta com seu amigo João, com o boi e o burrinho, assistia emocionado à subida daquelas pessoas simples que demonstravam tanta fé e devoção. A montanha ficou repleta de camponeses, carregando tochas acesas, em um canto fervoroso que se espalhou por todos os vales da região. Quando Francisco começou a falar, todos ficaram em silêncio. Sua fala era tão doce e suave que parecia o próprio Jesus. Suas palavras surgiam espontaneamente, pois Irmão Francisco vivia sintonizado com o Senhor do Universo.

De repente, uma luz muito forte entrou pela caverna e desceu sobre o berço preparado na manjedoura. Dessa luz, surgiu o menino Jesus de verdade. Inebriado de tanta alegria, Francisco de Assis levantou a criança nos braços para mostrar a todos aquele divino milagre que comprovava a existência de uma força muito maior guiando o Universo. Até mesmo o boi e o burrinho pareciam compreender o que estava acontecendo e assistiam a tudo em profundo silêncio e reverência. Com muito cuidado, Irmão Francisco colocou novamente a criança em seu berço. A luz e a criança desapareceram, restando apenas a magia do divino espetáculo. A montanha inteira ardia com o calor das tochas e dos corações dos homens que, junto com aquele santo homem, puderam presenciar, ao vivo, como havia sido o nascimento de Jesus. Francisco de Assis terminou a encenação, dizendo: – Queridos irmãos, hoje assistimos a um milagre de amor. Desejo que vocês espalhem esse amor a todos, e também aos nossos irmãos animais que recepcionaram Jesus em sua chegada à Terra e souberam compartilhar seu calor e sua casa com ele. Terminada a cerimônia, todos foram embora e Irmão Francisco ficou sozinho, entre o boi e o burrinho, acariciando-os, conversando com eles na linguagem de seu coração. Irmão Francisco foi a primeira pessoa que teve a ideia de encenar o nascimento de Jesus. E esta história deu origem ao presépio com que hoje enfeitamos nossas casas para o Natal.


Do livro Francisco, O Herói da Simplicidade, de Ligia Miragaia, Maeve Vida