sábado, 22 de novembro de 2014

Gold of Knights



Junte as pedras em trincas de cores iguais e acumule o máximo de pontos que puder conquistar.

Um joguinho divertido e envolvente.

Clique aqui para jogar.

quinta-feira, 20 de novembro de 2014

Blaise Pascoal



Certo dia, um menino de 10 anos bateu com uma colher num prato e escutou atentamente o som, que continuou a vibrar por algum tempo, parando, no entanto, quando o pequeno pôs a mão sobre o prato.

Com certeza, em muitos lugares do mundo, outros tantos garotos terão feito o mesmo e observado o fenômeno. Mas, só um gênio como Blaise Pascal resolveu investigar o mistério e escreveu um tratado sobre o som: "Traité des sons".

Nascido aos 19 de junho de 1623, em Clermont Ferrand (Auvergne), cedo demonstrou a sua genialidade. Certo dia, o pai o encontrou a riscar, com um pedaço de giz, "rodas e barras" no soalho do seu quarto. Rodas e barras eram na verdade os círculos e as linhas retas da Geometria, traduzidos na linguagem infantil.

Logo mais provaria que a soma dos ângulos de um triângulo perfaz dois retos, resolvendo num passatempo, o 32º teorema de Euclides, cujo nome ignorava.

Na adolescência, aos 16 anos, escreveu um Tratado sobre as secções dos cones "Traité des sections coniques", um problema de alta Geometria, que assombrou o mundo profissional da época. O próprio Descartes, ao lê-lo, se recusou a acreditar tivesse sido escrito por um jovem dessa idade.

Dois anos mais tarde, construiu o jovem matemático uma máquina de contar, com o principal objetivo de aliviar seu pai dos complicados cálculos que necessitava fazer na sua lida com as finanças do Município.

Numa época em que não estavam aperfeiçoadas as tábuas logarítmicas, este engenho prestou grandes serviços aos que se ocupavam com a aritmética e mereceu numerosas reproduções.

Oportunamente, Pascal presenteou com uma dessas máquinas ao célebre Condé e a Rainha Cristina da Suécia, quando ela esteve na França. Mais tarde, entre seus 23 e 25 anos, interessou-se pelos estudos da Física, escrevendo sobre o "espaço vazio": "Nouvelles experiences touchant le vide".

Foi também nesta época que o pai de Blaise sofreu um acidente e, por permanecer longo período na cama, teve a lhe servir de enfermeiros dois fervorosos discípulos de Cornélio Jansênio que, ao se despedirem, deixando Etienne Pascal curado, deixaram toda a família Pascal profundamente impressionada com o ideal religioso.

Em outubro de 1654, estando Blaise Pascal a passear de carruagem por uma ponte, assustaram-se os cavalos, tendo dois deles se precipitado da ponte, após rompidos os arreios. Os outros, com a carruagem ficaram suspensos sobre o abismo, salvando a vida do cientista. Dizem alguns de seus biógrafos que este fato lhe teria produzido um violento abalo, fazendo-o se dedicar às questões religiosas.

Contudo, depois de sua morte foi encontrado, cosido no forro de sua vestimenta, um bilhete datado de 23 a 24 de novembro de 1654, em que ele relata uma espécie de êxtase que teria experimentado, e demonstra um desejo ardente de se consagrar às coisas espirituais.

Escrevendo suas "Cartas Provinciais", Pascal apresenta a verdadeira Igreja do Cristo não circunscrita a uma determinada organização eclesiástica, menos ainda a determinados homens de um certo período, representando casualmente a Igreja, mesmo porque, falíveis os homens, insegura seria a fé. Em 1657, suas "Cartas", dezoito ao todo, foram relacionadas no Index, da Igreja. São consideradas um dos maiores monumentos da literatura francesa e o atestado de uma grande sinceridade cristã.

Relata que pediu a Deus 10 anos de saúde para poder escrever sua apologia do Cristianismo, que o mundo viria a conhecer com o nome de "Pensées", contudo, confessa, Deus lhe deu quatro anos de enfermidade.

Nessa Apologia, ele apresenta Cristo não como o "Senhor morto" de tantos cristãos, mas o Cristo vivo, sempre-vivo, aquele Cristo que segue com os homens, todos os dias.

Amar era para ele a melhor forma de crer, a "razão do coração que a razão ignora". Deus é, antes de tudo o Sumo Bem, o alvo do amor, e ele afirmava não poder crer senão num Deus que pudesse amar sinceramente. A mensagem para a humanidade de sua época, para os melhores homens do século, foi uma mensagem de vasta, profunda e panorâmica espiritualidade cristã. Uma espiritualidade que brilha em todas as páginas do Evangelho, a espiritualidade do Cristo.

Tal espiritualidade transcende das suas mensagens, inseridas pelo Codificador em O Evangelho Segundo o Espiritismo: a primeira, datada de 1860, recebida em Genebra, que alude à verdadeira propriedade e a segunda, do ano 1862, de Sens, da qual destacamos especialmente: "(...) Se os homens se amassem com mútuo amor, mais bem praticada seria a caridade; (...) " e , logo adiante, "(...) esforçai-vos por não atentar nos que vos olham com desdém e deixai a Deus o encargo de fazer toda a justiça, a Deus que todos os dias separa, no seu reino, o joio do trigo."

Não menos oportunas as observações em sua mensagem "Sobre os médiuns" (O Livro dos Médiuns, cap. XXXI, item XIII) de excelente atualidade para os dias que estamos vivendo, onde a mediunidade tem sido levada, muita vez, à conta de exclusiva projeção pessoal e destaque social: "Que, dentre vós, o médium que não se sinta com forças para perseverar no ensino espírita, se abstenha; porquanto, não fazendo proveitosa a luz que ilumina, será menos escusável do que outro qualquer e terá que expiar a sua cegueira."

Sua morte se deu a 19 de agosto de 1662, aos 39 anos, em Paris, sendo que os dois últimos anos de sua vida foram de intenso sofrimento. A enfermidade que o tomou lhe furtou qualquer possibilidade de esforços físicos e intelectuais.


Fonte: Autores Espíritas Clássicos

terça-feira, 18 de novembro de 2014

Poema da Gratidão



Senhor Jesus, muito obrigada!
Pelo ar que nos dás,
Pelo pão que nos deste,
Pela roupa que nos veste,
Pela alegria que possuímos,
Por tudo de que nos nutrimos.
Muito obrigada, pela beleza da paisagem,
Pelas aves que voam no céu de anil,
Pelas Tuas dádivas mil!

Muito obrigada, Senhor!
Pelos olhos que temos...
Olhos que vêm o céu, que vêm a terra e o mar,
Que contemplam toda beleza!
Olhos que se iluminam de amor
Ante o majestoso festival de cor
Da generosa Natureza!
E os que perderam a visão?
Deixa-me rogar por eles
Ao Teu nobre Coração!
Eu sei que depois desta vida,
Além da morte,
Voltarão a ver com alegria incontida...

Muito obrigada pelos ouvidos meus,
Pelos ouvidos que me foram dados por Deus.
Obrigada, Senhor, porque posso escutar
O Teu nome sublime, e, assim, posso amar.
Obrigada pelos ouvidos que registram:
A sinfonia da vida,
No trabalho, na dor, na lida...
O gemido e o canto do vento nos galhos do olmeiro,
As lágrimas doridas do mundo inteiro
E a voz longínqua do cancioneiro...
E os que perderam a faculdade de escutar?
Deixa-me por eles rogar...
Eu sei que no Teu Reino voltarão a sonhar.

Obrigada, Senhor, pela minha voz.
Mas também pela voz que ama,
Pela voz que canta,
Pela voz que ajuda,
Pela voz que socorre,
Pela voz que ensina,
Pela voz que ilumina...
E pela voz que fala de amor,
Obrigada, Senhor!
Recordo-me, sofrendo, daqueles
Que perderam o dom de falar
E o teu nome sequer podem pronunciar!...
Os que vivem atormentados na afasia
E não podem cantar nem à noite, nem ao dia...
Eu suplico por eles
Sabendo que mais tarde,
No Teu Reino, voltarão a falar.

Obrigada, Senhor, por estas mãos, que são minhas
Alavancas da ação, do progresso, da redenção.
Agradeço pelas mãos que acenam adeuses,
Pelas mãos que fazem ternura,
E que socorrem na amargura;
Pelas mãos que acarinham,
Pelas mãos que elaboram as leis
E pelas que as feridas cicatrizam
Retificando as carnes partidas,
A fim de diminuírem as dores de muitas vidas!
Pelas mãos que trabalham o solo,
Que amparam o sofrimento estancam lágrimas,
Pelas mãos que ajudam os que sofrem,
Os que padecem...
Pelas mãos que brilham nestes traços,
Como estrelas sublimes fulgindo nos meus braços!
...E pelos pés que me levam a marchar,
Ereto, firme a caminhar,
Pés da renúncia que seguem
Humildes e nobres sem reclamar.
E os que estão amputados, os aleijados,
Os feridos e os deformados,
Os que estão retidos na expiação
Por crimes praticados noutra encarnação,
Eu rogo por eles e posso afirmar
Que no Teu Reino, após a lida
Desta dolorosa vida,
Poderão bailar
E em transportes sublimes com os seus braços 
também afagar.
Sei que lá tudo é possível
Quando Tu queres ofertar,
Mesmo o que na Terra parece incrível!

Obrigada, Senhor, pelo meu lar,
O recanto de paz ou escola de amor,
A mansão de glória
Ou pequeno quartinho,
O palácio ou tapera, o tugúrio ou a casa de miséria!
Obrigada, Senhor, pelo amor que eu tenho e
Pelo lar que é meu...
Mas, se eu sequer
Nem um lar tiver
Ou teto amigo para me abrigar
Nem outra coisa para me confortar,
Se eu não possuir nada,
Senão as estradas e as estrelas do céu,
Como sendo o leito de repouso e o suave lençol,
E ao meu lado ninguém existir, vivendo e chorando sozinho ao léu...
Sem um alguém para me consolar
Direi, cantarei, ainda:
Obrigada, Senhor, porque te amo e sei que me amas,
Porque me deste a vida
Jovial, alegre, por Teu amor favorecida...
Obrigada, Senhor, porque nasci,
Obrigada, porque creio em Ti.
...E porque me socorres com amor,
Hoje e sempre,
Obrigada, Senhor!


Amélia Rodrigues (Espírito)
Divaldo Pereira Franco (Médium)

sexta-feira, 14 de novembro de 2014

Aprendendo a Canção: Allan Kardec

Aprendendo a canção que conta a história do codificador da doutrina espírita, Allan Kardec.




Acompanhe a letra


Allan Kardec


Quando aquele homem nasceu
Veio com uma missão
De nos trazer a obra da Codificação
Era grande professor
Denizard Hippolyte Léon Rivail
Da missão de educar ele nunca fugiu
O Espiritismo ele revelou
Doutrina de luz e amor
Virou, então, Allan Kardec, o Codificador
Obrigado, então, Allan Kardec, por nos ensinar o amor
Obrigado, então, Allan Kardec, nosso professor

Clésio Tapety

quarta-feira, 12 de novembro de 2014

Abecedário Espírita



O abecedário espírita é um dicionário para evangelização espírita infantil com palavras e expressões comumente usadas na doutrina, que é publicado mensalmente em nosso blog.


Obra de Allan Kardec: É o resumo dos ensinos que os espíritos nos comunicaram.
Oração: Não são palavras, mas um sentimento que vem do coração. Nossa comunicação com Deus e o mundo espiritual.
Orar: É agradecer, pedir e louvar a Deus. É amar e sentir a presença Divina.
Obedecer: É estar de acordo com a razão. Ou seja, é entender exatamente a importância daquilo que nós iremos fazer.

Fonte: FEB (Federação Espírita Brasileira)

segunda-feira, 10 de novembro de 2014

Formação dos Mundos



Uma vez um amigo estava em uma Lanhouse, lendo seus e-mails, quando recebeu uma mensagem belíssima, com várias imagens do Universo, salientando acerca da beleza das imagens, dos diferentes tamanhos dos mundos, da imensidão do Universo.

Quando esse amigo terminou de olhar o e-mail, a menina que estava ao lado dele, e que tinha olhado junto com ele o e-mail, perguntou:

- Que lindo o Universo! Quem será que criou tudo isso?

Qual seria a sua resposta?

Para refletir:

* Albert Einstein (famoso cientista, ganhador do Prêmio Nobel de Física em 1921) disse que a probabilidade de o Universo ser obra do acaso é a mesma de que uma tipografia exploda e dessa explosão se forme uma biblioteca organizada.

* O universo tem entre 13 e 18 bilhões de anos e continua se expandindo, porém não é possível aos homens determinar a idade exata do Universo ou do planeta Terra.

* Não sabemos a motivação de Deus ao criar o Universo, mas ele foi feito segundo a Sua vontade. Os seres humanos, e em especial os cientistas, estudam os planetas, os sóis, o Universo, mas ainda não conseguem determinar exatamente como o Universo foi criado, mas uma das teorias mais aceitas acerca da formação do Universo é a do Big Bang (Grande Explosão).

* Os cometas não têm influência direta sobre a vida das pessoas, mas ainda hoje muitas pessoas têm superstições, e acham (equivocadamente) que os cometas trazem azar.

* Antigamente as pessoas achavam que o planeta Terra era plano e carregado por uma enorme tartaruga. Os homens não viajavam muito longe porque tinham medo de chegar no fim do mundo e cair da Terra no espaço, pois achavam que a Terra era plana como uma folha de papel.

* Somando toda a matéria contida em estrelas, planetas, galáxias e qualquer outro astro conhecido chega-se, no máximo, a 1% de tudo o que existe lá fora. Você só enxerga 1% do Universo. Os outros 99% são matéria escura, coisa que não brilha nem reflete nada.

* Há 100 000 000 000 de galáxias no Universo. Se existem tantas galáxias, imagine o número de estrelas. Estima-se que cada galáxia tenha 100 bilhões de estrelas", conta o astrônomo Thyrso Villela, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, em São José dos Campos, São Paulo. Portanto, fazendo as contas, 100 bilhões de galáxias vezes 100 bilhões de estrelas, existem 10 sextilhões de estrelas, ou 10 seguido de 21 zeros.

Muitos de nós, habitantes do planeta terra ainda achamos que fomos os únicos privilegiados dentro dessa imensidão...

“Por um momento, imagine a grandeza do Cosmos.

Estimam os cientistas que, há quase 14 bilhões de anos, houve uma explosão de luz e nasceu o nosso Universo.

A ciência chama a isso de Big Bang. Para os espiritualistas, ali está a presença de Deus, criando todas as coisas, pronunciando as doces palavras: Que se faça a luz!

E a luz se fez: bilhões e bilhões de sóis passeiam, solenes, na sinfonia dos mundos.

Em torno desses sóis, trilhões de planetas, satélites e asteróides executam a dança silenciosa das harmonias celestes.

Giram planetas sobre si mesmos. Giram em torno de sóis. Giram os sóis e seu cortejo acompanhando o caminhar das galáxias. Ritmo e graça em toda parte.

Os mundos são estâncias do Reino de Deus, esperando por nós, viandantes em marcha para a perfeição.

Como os países, cidades e aldeias de um mesmo continente, os mundos dos espaços siderais são variadas escolas de progresso tecnológico, intelectual e moral.

Moradas da Casa do Pai no imenso Universo que ainda nos cabe descobrir, explorar, admirar.”

Fontes: Evangelização Espírita Seara do Mestre e Trechos do texto “A Música Celeste”, Redação do Momento Espírita.

sábado, 8 de novembro de 2014

Praticando Ciência



Pratique Ciência com esse inteligente jogo online para crianças a partir dos oito anos de idade.

Clique e jogue.

Fonte: SmartKids.

quinta-feira, 6 de novembro de 2014

Aconchego



No aconchego das palavras
que me fazem sonhar...
Busco inspiração.

No aconchego das palavras
que descansam meu olhar...
Respiro emoção.

No aconchego das palavras
que podem iluminar...
Descubro a contemplação

No aconchego das palavras
que me ensinam a pensar
Compreendo a vida
E aprendo a caminhar!



Angela R. Corteletti

terça-feira, 4 de novembro de 2014

O Livro Dos Espíritos - Para Infância e Juventude Vols. 1 e 2




Sinopse dos Livros

Adaptado da obra de Allan Kardec para crianças e jovens, 'O Livro dos Espíritos para Infância e Juventude' apresenta os princípios da Doutrina Espírita com uma linguagem simples , mas instigante. Belamente ilustrada, a obra proporciona uma fácil compreensão dos temas, sendo sugerido para a faixa etária entre 8 e 12 anos.

O volume 1 aborda as Causas Primárias e o Mundo dos Espíritos. Como podemos compreender Deus? Os Espíritos têm forma? Quais são as causas primárias?

O volume 2 explica as Leis Morais e Esperanças e Consolações. O Conhecimento da Lei Natural; Lei da Igualdade; Lei de Justiça, Amor e Caridade.

O contato com as Leis Divinas contribui para ampliar a capacidade de amor ao próximo. As crianças e jovens poderão desfrutar desses ensinamentos, entendê-los e praticá-los.

sexta-feira, 31 de outubro de 2014

No Reino das Letras Felizes

Naquele reino as letras viviam separadas e desunidas, até quando a rainha teve uma grande idéia... Leia este livrinho de conto de autoria de Lenira Almeida Heck e veja como é importante cultivar o amor e a união em nossa vida!