quarta-feira, 10 de agosto de 2011

A Pedra










Entre as coisas mais singelas
Dos planos da Natureza,
Destaca-se a pedra humilde,
Como símbolo de dureza.

Se alguém requisita imagem
Para a dor de nossa luta,
Em todas as circunstâncias
Lembremos da pedra bruta.

Entretanto, quase sempre,
Em nossa definição,
Há doses de fantasia
E gestos de ingratidão.

A pedra é santa operária,
Exemplo de intrepidez,
No campo material
É base de solidez.

No plano geral do mundo,
Ela humilde é que suporta
O peso da casa amiga,
Do lar que nos reconforta.

Além disso, se apresenta
A luta e a dificuldade,
Coopera na educação
Das forças da humanidade.

Nem sempre a pedra da estrada
Constitui espinho e dor,
Que obstáculo vencido
É posse de mais valor.

É certo que a pedra esmaga
Se há preguiça e invigilância;
Mas, muitas vezes, é uma luz
Nas trevas da ignorância.

Olhando-a, nunca te esqueças
Que mesmo a dor da pedrada
Pode ser a grande bênção
De uma vida renovada.

Ouçamos a grande voz
Da cátedra de Jesus,
Que colheu as nossas pedras
E nos deu a Eterna Luz.


Casimiro Cunha

Do livro "Cartilha da Natureza", de Francisco Cândido Xavier, pelo Espírito Casimiro Cunha.

2 comentários:

  1. lindo poema... :)
    otimo pra começar o dia! =)

    ResponderExcluir
  2. Olá Júlio,

    Um dia de muita paz e luz para você !

    Abraço fraterno !

    ResponderExcluir